O que o Orkut tem a ver com o século XIX ?


Nas aulas de Filosofia pelas quais participei, indagávamos muito sobre o papel dos filófosos da atualidade, sempre levando pra uma ótica relacionada ao desenvolvimento material da humanidade, apesar de não ser tema filosófico clássico. Deixa eu ver por onde eu começo. O existencialismo é um sentimento humano depreciativo que se tornou intrínseco aos homens da época posterior à Belle Epoque, você deve ter estudado história. Depois da riqueza material daquela época e consequentemente o enriquecimento do egocentrismo europeu, o cidadão do mundo passou a pensar que ele detinha da felicidade absoluta, proporcionado pela riqueza material. Porém aparece um homem chamado Sigmund Freud, e publica sua obra tentando, com eficácia pra época, tirar o homem do centro da consciência mundial. Com reflexos disto, os homens passam a interpretar sua vida e o que mais importante é para ela. Quando chega a

I Guerra Mundial, a decadência começa a surtir efeitos, quando os cidadãos europeus veem sua tecnologia que construía pub´s, torres, estradas, trens, boulevares, Ford´s T, etc, agora era usado para matar pessoas. Então, o enriquecimento material, o único remédio para a solidão do homem naquela época, perde valor. No século XX inteiro, vimos como o homem perdeu sua identidade com as mazelas feitas por ele. Em 1921, André Breton - já te falei dele eu acho - diz que o homem ainda tem mais dúvidas do que certezas na vida, e isto, o deixa um animal selvagem, agindo por instinto. O existencialismo é exatamente cabível nessa conjuntura, onde as pessoas começam a divagar sobre o seu papel no mundo e descobrem que pouca diferença fazem, partindo então para a idealização do seu ser. Pra quê exemplo melhor do que o Orkut para falar da crise de identidade, onde nós temos espaço para colocar nossa figura idealizada.


Marcos Carneiro, sendo obrigado a divagar pra Anna Olívia algo sobre Existencialismo
.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget