Espelhos

Uma imagem seca, morta de movimento
Suspeitam problemas estruturais
Que neste espelho sujo e sedento.
Se indagam, nós, pobres mortais.

Neste interrogatório se queixam
Certos sorrisos falsos que já não agüentam mais
Esperar para virar gritos que ensejam
Certos beijos não dados em tempos para trás

Negam a existência do corpo e da mente
Certos espelhos que cortam a velha semente,
Da qual brotam as expressões faciais

Concordam com eles certa ruga de testa atenta
Que de uma ordem austera o tempo alimenta
Secando a alegria dos passeios matinais

Marcos Carneiro
Ocorreu um erro neste gadget