Premissas Maiores

Generalizando,

Toda Copa é do mundo. Todo planeta é terra.
Todo jardim é de inverno. Todo inverno é seco.
Todo Fato é social. Assim como todo caso é passado, e todo futuro é banal.
Toda pessoa é verbal. Seja primeira, segunda ou terceira pessoa.
Todo verbo é de ligação. Toda ligação é interurbana.
Toda sílaba é tônica.
Toda cidade é maravilhosa, todo adjetivo é pátrio.
Generalizando, toda morte é fatal. Todo câncer é letal.
Todo desemprego é estrutural.
Toda juventude é perdida. Todo buraco é negro.
Todo banco é de contas, mas nem tudo é da nossa conta.
Toda língua é falada, nem todas entendidas, mas todo entendimento é gratuito na mente do saber latente. Toda malha é fina, e a deles mais ainda.
Generalizando, todo direito é civil. Toda lei é natural.
Toda tristeza é nata, toda alegria é naturalizada. Por isso toda luta é de classes, e queremos o outro para complementar a toda cabeça dura.
Todo encontro é casual, toda casa é própria, e todo substantivo é abstrato. Como a comida que o faminto coloca no prato. Toda política é externa, toda conta é corrente, toda matemática é básica, assim como toda cesta é exata. Toda história é antiga, toda arte é contemporânea. Toda química é orgânica, toda solidariedade é mecânica. Sendo todo movimento harmônico algo simples, toda física é quântica.
Toda ciência é humana, todo humano há de contemplá-la. Todo número é real, racional, complexo. Mas nem todos são inteiros.
Generalizando, todo mar é aberto, toda navegação é grande. Toda carta é de amor, todo amor é platônico. Assim como
todo ator é um amante e todo poeta é falador. Toda paixão é ingênua, todo interesse é coletivo, todo ato é formal, toda forma é mortal, no parnasianismo morto e enterrado. Todo encontro é casual. Toda palavra é chave, mas algumas ainda são grades. Onde toda prisão é perpétua, pois se prende no tempo, onde todo tempo é relativo. Generalizando, todo bem é material, toda filosofia é crítica. Toda analítica é disrítmica. Toda mulher é mística, mas todo misticismo é bem amplo, no entender de todo homem que é feito, no todo feito histórico. Toda criação é divina. Toda religião é Cristâ. Todo deus é onipresente, onipotente, onisciente. Assim como todo narrador realista, e a ânsia e a fome do indigente. E o que bate nos conceitos, hão de roer a cabeça da gente.


Marcos Carneiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget