Re-flexões.

tum tum, tum tum...
estriado cardíaco.
O tempo mutilando, rua vazia,
e a campainha - tímida mocinha -
nada fala.

Gume na carne - crime na esquina?
Fita-se a janela, e uma sombra se esconde;
Esfíncter vermelho, caindo no chão...
Escorre - alguém corre - pepsina;
e a fome aumenta.


Marcos Carneiro

3 comentários:

  1. Hmm... ahh o pós-modernismo... tão único.
    Belo poema... a sua forma de trabalho poética é realmente invejável... bem retratista...
    parabéns...

    To seguindo...se quiser passa lá, dá uma olhada nos poemas e, se não for pedir demais, me segue tbm
    http://literaturandoomundo.blogspot.com/

    abraço

    ResponderExcluir
  2. Belo jogo de palavras, 1001 compreensões possíveis... valeu!

    ResponderExcluir
  3. Minha irmã vai adorar cada detalhe destes versos!
    Magnífico!
    ;D

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget