As sem razões do amor
"Eu te amo porque te amo. Não precisas ser amante, e nem sempre sabes sê-lo. Eu te amo porque te amo. Amor é estado de graça e com amor não se paga. Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no elipse. Amor foge a dicionários e a regulamentos vários. Eu te amo porque não amo bastante ou demais a mim. Porque amor não se troca, não se conjuga nem se ama. Porque amor é amor a nada, feliz e forte em si mesmo. Amor é primo da morte, e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam) a cada instante de amor."
Drummond, com um didatismo coeso e cabível sobre a vida amorosa.
(O poema foi colocado em estrutura linear, forma preferida deste blogueiro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget