Um tropeço

Caminhando na senda da vida,
O poeta encontrou uma esquina;
E tendo de escolher qual será a partida,
Partiu na calçada da pedra mais finda.

Tropeçando numa das lindas pedras,
Caiu no colo da branca moça esbelta
A qual, sentido calor em suas pernas
Queria um abano em suas cerdas.

Depois de muito abano do homem cortêz,
A moça só, grata convidou pra um café
O moço, já branco de palidêz,
Aceitou, em tremor da cabeça ao pé .

Uma, duas, três, quatro horas na salinha,
Vizinhos murmuravam em seus portões:
O moço deve morrer naquela casinha !
Embebedado de café ou de molhadas emoções.

Marcos Carneiro

3 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget